De olho em Tóquio, Simone Ponte Ferraz corre por novos recordes

A atleta sonha com a participação na Maratona da Olimpíada de Tóquio, em 2020.

0
115
Atleta de Jaraguá tem 2018 como um ano especial de retomada e conquistas de novas marcas na carreira. Foto: Arquivo pessoal/Simone Ferraz.

     Quebrar recordes, correr contra o tempo, baixar marcas e, com isso, consolidar-se entre as melhores fundistas e meio-fundistas do Brasil. Este é o desejo da jaraguaense Simone Ponte Ferraz, 28 anos, que há 13 anos destaca-se entre as melhores atletas nas pistas do atletismo catarinense.

     A mais recente, e talvez sua mais importante conquista – feito que a fez entender que muito ainda pode melhorar no circuito das competições – foi o terceiro lugar no GP Internacional de Atletismo, realizado até o último final de semana em Bragança Paulista-SP.

     A façanha foi obtida na prova dos 3.000 metros com obstáculos com o tempo de 10 minutos e 27 segundos, ou seja 28 segundos atrás da vencedora da prova, a etíope Birtukan Adamu.  Foi a terceira vez no ano que a atleta catarinense bateu seu próprio recorde absoluto, feito que a faz ocupar o segundo lugar no ranking brasileiro.

     “Estou muito feliz. Saí satisfeitíssima por ser uma prova internacional e tudo correu dentro da minha expectativa. Um sonho realizado e, o melhor, com uma medalha”, analisou a atleta da Corville (Joinville), que tem como treinador Izair Júnior Gazzoni.

     Em Santa Catarina ela se mantém no topo do pódio. Recentemente, em Jaraguá do Sul, por ocasião do Campeonato Estadual Adulto, ela derrubou o recorde que se mantinha há 20 anos pela corredora Silvana Pereira. Foi nos  3.000 com obstáculos  com o tempo de 10min35s e nos 5.000 metros (16min48s). Nos 1.500 metros ela figura em primeiro lugar entre as atletas em atividade no ranking brasileiro.

     Simone já traçou planos para desafios a médios e longos prazos. Em 2018 tem como meta melhorar seu recorde nos 3.000 metros cm obstáculos nos Jogos Abertos de Santa Catarina (JASC). Também quer acumular o recorde nos 1.500 metros sustentado há 20 anos pela fundista Silvana Pereira.

      Foco também nos 1.500 metros da mesma competição como forma de garantir índice para a disputa do Troféu Brasil de Atletismo que acontecerá na segunda quinzena de setembro, em Bragança Paulista.

     Os Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020 é sua pretensão no longo prazo. A atleta sonha com a participação na Maratona na Olimpíada. Atualmente o índice olímpico para os 42 quilômetros da prova está em 2 horas e 45 minutos. “Quero chegar em 2020 abaixo das duas horas e quarenta”, prometeu.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA